Facebook Twitter Imprimir

ARQUIVO DE NOTÍCIAS


03/05/2016 - Estudo analisa trapamédicos na humanização de hospitais


A mestranda Paula Sofia da Igreja, do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional da FURB, fará a defesa pública da sua dissertação nesta quarta-feira, dia 4, a partir das 14h30min., na sala R-301 (campus 1).
 
O título do trabalho é "Performance clown e saúde: O Papel dos Trapamédicos na Humanização do Ambiente Hospitalar na Cidade de Blumenau".
 
A Banca Examinadora é composta por: Profª. Drª. Marilda Rosa G.C.G. da Silva – FURB; Profª. Drª. Viviane Kraieski de Assunção – UNESC; Profº. Drº. Oklinger Mantovaneli Júnior – FURB; Profª. Drª. Lilian Blanck de Oliveira - FURB
 
Resumo da dissertação
 
A presente pesquisa estuda a performance clown (atuação do palhaço) enquanto fator de humanização das relações em ambiente hospitalar na cidade de Blumenau. Para isso, o objeto da pesquisa está voltado para a atuação do grupo Trapamédicos Voluntariado da Saúde, que inicia suas atividades em 2006 no Hospital Santa Isabel, e atualmente realiza visitas semanais nos hospitais Santa Isabel, Santo Antônio e Santa Catarina, com uma equipe de 50 'palhaços médicos' voluntários.
 
O tema propõe uma reflexão crítica ao modelo hegemônico de desenvolvimento com ênfase no crescimento econômico, sem uma perspectiva mais ampla de valorização do ser humano em outras dimensões: social, cultural, subjetiva. O desenvolvimento na área da saúde não está separado do contexto do modo de produção hegemônico do mundo e de um formato massificado que reduz seu desenvolvimento à dimensão econômica e saúde à mercadoria.
 
Com o desenvolvimento da sociedade moderna racionalista, vemos o aparecimento da medicina técnico-científica onde o medicamento assume progressivamente um papel privilegiado de intervenção médica, ocorrendo um deslocamento epistemológico e clínico da medicina moderna, de uma arte de curar para uma disciplina das doenças. O modelo mecanicista que as instituições adotam para o trabalho na saúde, além de não promover a saúde integral dos pacientes, também causa o seu adoecimento. Este modelo se opõe ao de humanização, processo que traz a valorização da integridade do sujeito nas relações de atenção à saúde.
 
No estudo realizado sobre o grupo Trapamédicos nos hospitais de Blumenau, pudemos observar a importância do seu papel no sentido de promover uma ruptura no cotidiano mecanicista, abrindo uma brecha para relações mais humanas e promovendo uma alteração positiva no ambiente na medida que traz à tona para o contexto das relações hospitalares a importância da empatia, do afeto, da alegria e do inusitado.
 
O método utilizado foi o etnográfico. "Assim, a etnografia é antes a experiência de uma imersão total, consistindo em uma verdadeira aculturação invertida, na qual, longe de compreender uma sociedade apenas em suas manifestações "exteriores" (Durkheim), devo interiorizá-las nas significações que os próprios indivíduos atribuem a seus comportamentos". (LAPLANTINE, 1989, p. 150). À distinção do historiador e do sociólogo, o etnólogo entra em contato com seu objeto de pesquisa, "coloca-se o mais perto possível do que é vivido por homens de carne e osso". (LAPLANTINE, 1989, p. 151). 
Press-release: 03/05/2016 09h50 | Publicação: 03/05/2016 - 09h50 - Gabinete da Reitoria/Jornalismo | Texto: Michel Ivon Imme Sabbagh | Foto(s): Divulgação

Maio/2016 (alterar)

31/05/2016 30/05/2016 26/05/2016 25/05/2016 24/05/2016 23/05/2016 20/05/2016 19/05/2016 18/05/2016 17/05/2016 16/05/2016 13/05/2016 12/05/2016 11/05/2016 10/05/2016 09/05/2016 06/05/2016 05/05/2016 04/05/2016 03/05/2016 02/05/2016


Painel