Facebook Twitter Imprimir

ARQUIVO DE NOTÍCIAS


06/09/2016 - Estudo aponta implicações socioambientais no Ribeirão Fresco


A mestranda Larissa Holler, do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional da FURB, faz a defesa pública da sua dissertação nesta sexta-feira, dia 9, a partir das 8h30min., na sala S-201.
 
"A dinâmica de ocupação territorial e suas implicações socioambientais: o caso do Ribeirão Fresco", é o título do seu trabalho.
 
São membros da Banca Examinadora: Prof. Dr. Juarês José Aumond  -  FURB; Prof. Dr. Diego Pasqualini  -  SENAC; Prof. Dr. Luciano Félix Florit  -  FURB; Profª. Drª. Cristiane Mansur de Moraes Souza  -  FURB.
 
Resumo da dissertação
 
A crescente urbanização caótica resulta em fortes impactos multidimensionais caracterizados nas escalas naturais e sociais. Este agravamento, bem como seus desdobramentos, contribui para o processo de aumento da fragilidade social que desempenha um papel de potencializador nos desastres, por recriar ciclos cada vez mais frequentes e destrutivos.
 
Isso se deve ao fato de que as cidades em suas áreas centrais já densamente ocupadas empurram o crescimento para as áreas periféricas onde as condições de ocupação são precárias.
 
Os efeitos das mudanças climáticas são variáveis e têm despertado cada vez mais a atenção e preocupação pelos seus efeitos socioambientais, especialmente nas áreas ambientalmente frágeis, notadamente na periferia das áreas urbanas, visto que os eventos climáticos estão se tornando mais frequentes e intensos.
 
A microbacia do Ribeirão Fresco está inserida neste contexto, no qual a população de baixa renda vem ocupando áreas ambientalmente frágeis, do ponto de vista geológico, geomorfológico, hidrológico e socioambiental, portanto muito susceptíveis a desastres, como movimentos de massa, enxurradas e enchentes.
 
Desta forma, o objetivo desta pesquisa foi diagnosticar e caracterizar a ocupação territorial das diferentes unidades da paisagem da microbacia do Ribeirão Fresco, identificando as áreas de risco e a percepção ambiental das comunidades para promover o Desenvolvimento Sustentável.
 
A Microbacia do Ribeirão Fresco é caracterizada por três diferentes Unidades da Paisagem. A Primeira Unidade da Paisagem corresponde às cotas mais altas da microbacia e é a menor em extensão territorial, abrange a área com ocupação irregular de alta vulnerabilidade a desastres naturais. A Segunda Unidade está localizada abaixo da primeira e corresponde à transição altitudinal da microbacia, onde a paisagem assume formas morfológicas mais suaves e o processo de ocupação é dividido em duas etapas: a mais antiga dentro dos critérios considerados normais para o padrão de ocupação da cidade, e a mais recente que ocorreu de maneira irregular e clandestina. A Terceira Unidade corresponde à área mais a jusante da microbacia e assume a forma predominante de planície, com ocupação mais antiga também dentro de critérios considerados normais para os padrões de ocupação da cidade.
 
As condições apresentadas nas três Unidades da Paisagem e o tipo de ocupação observado causam um agravamento das condições sociais, econômicas e ambientais destas comunidades. 
Press-release: 06/09/2016 10h28 | Publicação: 06/09/2016 - 10h28 - Gabinete da Reitoria/Jornalismo | Texto: Michel Ivon Imme Sabbagh | Foto(s): Divulgação

Setembro/2016 (alterar)

30/09/2016 29/09/2016 28/09/2016 27/09/2016 26/09/2016 23/09/2016 22/09/2016 21/09/2016 20/09/2016 19/09/2016 16/09/2016 15/09/2016 14/09/2016 13/09/2016 12/09/2016 09/09/2016 08/09/2016 06/09/2016 05/09/2016 01/09/2016


Painel