Facebook Twitter Imprimir

ARQUIVO DE NOTÍCIAS


21/08/2019 - Seminário de Direito e Psicologia aborda NPJ


Estreitar os laços entre os cursos de Direito e de Psicologia da FURB, através do Núcleo de Prática Jurídica (NPJ). Este foi um dos objetivos do primeiro Seminário de Direito e Psicologia da Universidade. O evento contou com alunos e professores dos dois cursos, além da comunidade em geral e foi realizado nesta terça-feira (20), no auditório da Biblioteca, no câmpus 1.
 
Segundo o professor Rodrigo Diaz, mediador de uma das mesas redondas, a proposta do seminário sugere a reflexão da interdisciplinaridade entre as duas áreas. Ele afirma “que direito e psicologia vem conversando cada vez mais e, a partir disso, surgiu a necessidade de pensarmos cada vez mais juntos. Ao seminário, trouxemos profissionais que atuam no dia a dia dessas áreas, através do NPJ. No mundo contemporâneo, direito e psicologia vem se encontrando cada vez mais”.
 
A realização do seminário foi idealizada através do aluno de Psicologia, Mateus Nuss, que atua como estagiário no NPJ. “O Núcleo de Prática Jurídica se propõe a fazer os trabalhos de mediação e conciliação. São práticas jurídicas, mas elas são realizadas com ênfase na conversa, do diálogo e não numa imposição judicial. Esse trato com o ser humano, com a resolução de conflitos que dizem respeito a questões familiares, elementos que vão, de alguma maneira, afetar tangencialmente no resultado final, é uma das nossas funções no NPJ”, comentou. 
 
Em uma das mesas redondas propostas pelo seminário, a juíza da comarca de Blumenau e também aluna de Psicologia da FURB, Quitéria Péres, compartilhou sua experiência na magistratura e quanto o fator psicológico tem relação com os casos jurídicos. “Nós não estamos falando de duas estradas diferentes e sim da mesma. Pois se eu pensar que lido com processos, como juíza, eu tenho um olhar. Se eu pensar que lido com conflitos, o meu olhar muda, se amplia. Para perceber que esses conflitos são formados por pessoas, por seres humanos, eu comecei falando em direitos, conflitos e terminei falando em psicologia”, afirmou. 
 
"Essa visão de mundo propicia uma melhor formação aos acadêmicos para a realidade da vida cotidiana e  profissional que se complexifica cada vez mais e exigindo muito mais preparo técnico e humanista" reforça a professora do curso de Direito e coordenadora do NPJ, Giselle Krepsky.
 
 
Publicação: 21/08/2019 - 13h43 - Central Multimídia de Conteúdo/Jornalismo | Foto(s): CMC


Painel