Facebook Twitter Imprimir

EVENTOS


05/09 - Universidade Aberta - Da pós-verdade aos fatos alternativos

O próximo encontro do Universidade Aberta convida toda comunidade a refletir sobre o impacto da pós-verdade no contexto político e jornalístico atual e as suas implicações.
 
“Pós-verdade” (post-truth) foi a palavra do ano de 2016 escolhida pela Oxford Dictionaries, departamento da universidade de Oxford responsável pela elaboração de dicionários e  uma das referências mais importantes do mundo para a catalogação de novas palavras e expressões. A escolha foi seguida da definição pela instituição que conceituou a “pós-verdade” como um adjetivo “que se relaciona ou denota circunstâncias nas quais fatos objetivos têm menos influência em moldar a opinião pública do que apelos à emoção e a crenças pessoais”. 
 
Frente ao crescimento da mentira e suas influências e implicações nas eleições, o uso da palavra pela imprensa mundial em 2016 cresceu 2.000% em relação ao ano anterior, sobretudo na cobertura de fatos políticos. O termo tem sido cada vez mais usado e chega a ser referenciado por alguns teóricos como um símbolo dos nossos tempos. 
Uma das principais preocupações decorrentes do fenômeno diz respeito à sensação de que a verdade não existe mais, não importa mais. Num mundo de ascensão das redes sociais, onde as pessoas têm o hábito muitas vezes de se informar apenas por canais como Facebook, sem confirmar a veracidade dessas informações, o desafio torna-se ainda maior.
De acordo com informações da Oxford Dictionairies publicadas no Nexo Jornal, o uso da palavra tem se tornado recorrente em análises sobre dois importantes acontecimentos políticos recentes: a eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos e o referendo que decidiu pela saída da Grã-Bretanha da União Europeia, apelidada de “Brexit”. Nos dois casos, as campanhas foram marcadas pela disseminação de notícias falsas nas mídias sociais e de mentiras por candidatos ou figuras-chave de campanha. O uso indiscriminado de mentiras foi observado tanto no boato de que a permanência na União Europeia custava à Grã Bretanha US$ 470 milhões por semana, no caso do Brexit, como na ideia de que Barack Obama não é americado e é o fundador do Estado Islâmico, no caso da eleição de Trump. 
 
A constatação é de que o eleitorado ignora a versão verdadeira dos fatos e prefere boatos e informações falsas, divulgadas principalmente em redes sociais. Pós-verdade se refere, portanto, a um tempo em que a verdade cede lugar à opinião, sem a necessidade de esclarecimento ou apuração dos fatos.
O termo, segundo a Oxford, foi empregado pela primeira vez em 1992 pelo dramaturgo sérvio-americano Steve Tesich, em um ensaio para a revista The Nation.
 
Ministrantes convidados:  Nilson Lage – tem graduação em Letras (Português Russo) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ/1977), mestrado em Comunicação pela UFRJ (1978) e doutorado em Lingüística pela UFRJ (1986). Aposentado compulsoriamente em 21.11.2006 do cargo de professor titular do Departamento de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina, trabalha como voluntário em cursos de pós-gradduação da mesma universidade. Tem experiência na área de Jornalismo, com ênfase em Técnicas de Jornalismo, atuando principalmente nos seguintes temas: teorias da cognição; jornalismo científico; semântica, semiótica e pragmática; ensino de jornalismo; linguagem jornalística, jornalismo audiovisujal, webjornalismo, divulgação de História do Brasil, teoria do jornalismo e lógica aplicada à linguagem mediática. 
 
Marcos Antônio Mattedi - Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Regional de Blumenau (1991), mestrado em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (1994),e doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (1999) e estágio pós-doutoral no Centre de Sociologie de L´innovation - ENMP/Paris (2003). Dirige o Grupo de Pesquisa Núcleo de Estudos da Tecnociência - NET desde 2006 e atualmente é coordenador e professor titular do Programa de Pós Graduação em desenvolvimento Regional da Fundação Universidade Regional de Blumenau. Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em sociologia do conhecimento científico, atuando principalmente nos seguintes temas: ciência e tecnologia, desenvolvimento regional, sociologia, impactos ambientais, desastres, meio ambiente e percepção ambiental. Atualmente tem pesquisado os processos de formação e dissolução de redes sociotécnicas.
 
Mediador: Prof. Dr. Sandro Galarça (Curso de Jornalismo/FURB)
 
O evento é voltado para cursos de Jornalismo, redações de TV, jornais, rádio e internet da região, associação de imprensa do Vale do Itajaí, sindicato dos jornalistas de Santa Catarina, estudantes e comunidade em geral. 
 
A certificação será on-line.
Para Servidores (técnicos e docentes) FURB, inscrições em www.furb.br/formacao 

Data: 05/09
Horário: 19h
Local: Câmpus 1 - Auditório Biblioteca - Prof. Padre Orlando Maria Murphy - Mapa
Informações: PROPEX - Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação, Extensão e Cultura | 47 3321-0416 | propex@furb.br
Publicação: Cultura

Outros eventos

Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro


Painel