Etevi - matrículas abertas
Facebook Twitter Imprimir

ESTÁGIO DOCENTE

 
Apresentamos as diretrizes para realização de estágio na Etevi:

1 - Procedimentos, regras e atitudes
A Etevi, escola de ensino médio da FURB,  tem o maior prazer em acolher os estagiários de cursos de licenciatura e demais cursos de graduação de nossa Universidade, entendendo ser um espaço para o desenvolvimento de competências que deverão compor o perfil do profissional.
 
Dessa forma, ampliamos o conceito de estágio  buscando obter maior integração com os cursos de nossa Universidade, através de seus Coordenadores e acadêmicos com a sua proposta pedagógica. O objetivo deste material é explicitar as regras que regem os estágios na escola e apresentar possibilidades de inserção do estagiário, esperando com isso tornar essa prática uma experiência positiva para os vários agentes envolvidos.
 
Além de fornecer elementos para o competente exercício da docência em disciplinas específicas, o estágio deve possibilitar uma visão geral das tarefas, objetivos e problemas concretos de um professor inserido numa instituição escolar. O estágio deve ser prática integrada à proposta pedagógica de cada escola, de modo a representar uma contribuição efetiva à consecução dessas propostas.

 

 

2 - Solicitação
Deve ser feita na Secretaria da Escola, mesmo que o estagiário já tenha um entendimento anterior com algum profissional da Escola. A solicitação consiste no preenchimento de uma ficha com dados pessoais e do curso, objetivos do estágio e disponibilidades de horário.
Período para solicitação: 1º semestre, preferencialmente nos meses de março e abril; 2º semestre, preferencialmente nos meses de agosto e setembro.
 
3 - Horário/frequência
É preciso haver compatibilidade entre as disponibilidades de horário do estagiário e o dos projetos de que ele quer participar, os quais possuem diferentes exigências. Cada estagiário terá uma ficha de frequência que deverá ser assinada na secretaria, em todos os dias de estágio.
 
4 - Assiduidade
A Escola exige o cumprimento da frequência combinada. Caso haja necessidade de mudança de horário, o estagiário deve comunicar a Escola para que se estude um novo acerto. Faltas ou mudanças sem justificativa não serão toleradas e poderão acarretar o desligamento do estagiário.
 
5 - Projeto
O estagiário deve buscar integrar os objetivos propostos em seu curso de origem às possibilidades oferecidas pela Escola. Quando vier com um projeto previamente definido, é preciso apresentá-lo aos profissionais com quem vai atuar, para que se discuta sua operacionalização. Quando isso não ocorrer, deve se inserir numa das modalidades propostas pela Escola.

 

 

6 - Trâmite/referência
As solicitações de estágio são encaminhadas à direção ou coordenação pedagógica, para análise e, quando aceitos, são distribuídos entre outros setores e profissionais. Cada estagiário deverá ter uma pessoa de referência na Escola - um professor, membro da equipe técnico-pedagógica ou o coordenador de algum setor ou projeto especial. Essa pessoa atuará como um "tutor", auxiliando o estagiário na sua inserção institucional e até mesmo na distribuição de atividades. Entretanto, o estagiário não deverá criar um único vínculo e sim interagir com diferentes profissionais.
 
7 - Relatório
Conforme a modalidade de estágio o relatório deve ser feito segundo orientação exclusiva do docente. De todo modo, a entrega do relatório é fundamental para que se possa ter uma parceria efetiva entre a escola, o estagiário e a Universidade.
 
8 - Avaliação
A Escola planejará juntamente com o professor e os alunos de estágio curricular, critérios de avaliação.

 

 

9 - Observação, colaboração e crítica 
Embora a atuação do estagiário não deva se limitar à observação, esse é um recurso importante, mas é bom que venha precedido de informações fornecidas pela Escola sobre a situação observada ou seu contexto mais amplo. Espera-se que a relação entre estagiários e profissionais da Escola seja de colaboração e aprendizado mútuo. Para isso, é preciso que o estagiário respeite o professor como profissional com mais experiência na instituição e que o professor da escola veja o estagiário como pessoa capaz de contribuir, seja por meio de suas 
 

ações, seja por meio de seu olhar. O fato de não pertencer à instituição permite ao estagiário um olhar mais distanciado sobre o cotidiano da mesma, favorecendo que ele perceba coisas muitas vezes "invisíveis" para aqueles que vivenciam há mais tempo este cotidiano. Assim, as críticas, os comentários e as sugestões dos estagiários serão bem recebidos. Contudo, atitudes de desrespeito frente aos alunos ou aos profissionais da Escola, se ocorrerem, serão analisadas e, conforme o caso, poderão resultar no desligamento do estagiário.

 

 

10 - Formas de inserção na escola
A inserção do estagiário na Escola pode se dar de várias formas, conforme seus interesses e possibilidades, respeitadas as normas que regem a prática de estágios na Etevi. Como orientação comum aos estagiários, propõe-se que participem e acompanhem atividades que lhe dêem uma visão da vida institucional da Escola e que se engajem em modalidades de ação mais específicas. 
O cotidiano de uma escola não se reduz às aulas, e a diversidade de situações que ocorrem na instituição escolar interfere no trabalho do professor. Por isso, é importante que todo estagiário, não só os interessados na 
 
administração escolar, vivencie algumas destas situações, observando-as ou assumindo algum outro papel. A seguir apresentamos algumas sugestões de atuação.
  • Reuniões para planejamento e avaliação de atividades pedagógicas.
  • Reuniões para discussão de temáticas amplas concernentes a proposta pedagógica da escola.
  • Reuniões para avaliação do aproveitamento escolar dos alunos e da prática pedagógica - Conselhos de Série.
  • Reuniões com pais.
  • Reuniões do Conselho Pedagógico da Escola.
 

 

 

Incluem-se nesse âmbito, o acompanhamento a atividades eventuais como estudos do meio, viagens de estudo, mostras culturais e outras apresentações.
Além de acompanhar situações que dêem uma visão global da instituição, é importante que o estagiário se insira em modalidades de estágio mais específicas, voltadas para as aulas regulares ou para outros projetos desenvolvidos na escola. Aconselha-se, sempre que possível, a participação em mais de uma modalidade, para enriquecimento da experiência.
 
A seguir, apresentamos algumas possibilidades; apontando os profissionais responsáveis pelo seu acompanhamento na escola.
  • Atendimento individualizado - durante a aula - a alunos ou a pequenos grupos com dificuldades específicas; 
  • Organização de exposições;
  • Elaboração de materiais didáticos, conforme instruções do professor;
  • Regência de aulas e desenvolvimento de projetos, desde que previamente combinado com o professor.
  • Projetos ou programas na área tecnológica.

 

 

Para que os estagiários tenham condições de conhecer o trabalho desenvolvido e nele atuar de forma condizente com a proposta da Escola. Durante esse período, o estagiário trabalhará ao lado de um professor e deverá ser supervisionado pelo profissional da escola que tenha relação com a área do estágio (por exemplo, estagiários da Psicologia deverão estar sob supervisão do psicólogo da escola), mas poderá observar aulas em outras salas, desde que o professor responsável por ele combine com os outros. Além disso, o estagiário poderá participar das reuniões pedagógicas, reuniões de série e assembleias de classe. Ao final do estágio, deverá entregar, ao professor, um documento explicitando quais os méritos e dificuldades observadas na Escola. Os estagiários deverão seguir o horário regular das aulas.
 
I. Disciplinas
O estágio junto a disciplinas específicas é a modalidade mais clássica, sobretudo para os alunos dos cursos de licenciatura. Para o bom aproveitamento recíproco, faz-se necessário o contato prévio e seguido entre estagiário e professor, o que possibilitará que se passe da simples observação à colaboração. Mesmo que o estagiário fique mais próximo de um professor específico, é interessante que ele acompanhe outros professores da mesma área de atuação, para obter um conhecimento mais abrangente e diversificado.
Além de seguir as aulas daquela disciplina, é recomendável que o estagiário se envolva em algum projeto interdisciplinar que abranja outras matérias além da que ele acompanha especificamente.

 

 

II. Anos escolares/classe  

Nesta modalidade a referência do estagiário é um grupo de alunos e não um professor. O estagiário acompanha uma classe nos vários momentos de sua rotina, podendo obter uma compreensão interessante do grupo de alunos. É modalidade usual para os estagiários de pedagogia, mas pode se estender também aos estudantes da licenciatura. Uma direção possível (e interessante) para a colaboração estagiário/escola é o auxílio na tentativa de compreender dificuldades específicas apresentadas pelo grupo de alunos. Sempre que possível, é interessante acompanhar as atividades extraescolares da classe, como saídas para estudos, estudo do meio, etc. No acordo feito com os professores, o estagiário pode se engajar em algum projeto específico desenvolvido com a classe. 
 
III. Atividades de recuperação
Entendendo ser responsabilidade da escola assegurar aos alunos momentos além das aulas regulares, para sanar dificuldades de aprendizagem, a Etevi desenvolve várias atividades de recuperação; realizadas no período oposto ao das aulas regulares. O engajamento do estagiário pode se dar em qualquer das atividades, sendo um interessante campo para o exercício da regência. Vale ressaltar que para ter uma visão mais abrangente é conveniente associar o estágio em atividades de recuperação ao acompanhamento das aulas regulares.
 

 


Painel